segunda-feira, 1 de abril de 2019

Com "alma rubro-negra" e além da bola, Flamengo ganha Taça Rio com o coração

Analisar técnica ou taticamente o empate com o Vasco seria muito pouco para o que aconteceu neste domingo no Maracanã. Mais do que na bola, o Flamengo ganhou a Taça Rio no coração. Assim como na semifinal contra o Fluminense, um gol nos acréscimos foi apoteótico e mudou o cenário da competição. Se o time não teve uma grande atuação, os rubro-negros podem se orgulhar da entrega e determinação de seus jogadores.
Análise: com
E haja coração! O próprio Abel exagerou na emoção na reta final da Taça Rio e foi “desfalque” na final. No Fla-Flu, quando o Flamengo jogou todo o segundo tempo com um jogador a menos e conseguiu a vitória nos acréscimos, o treinador teve uma arritmia, ficou três dias internado e passou por procedimentos cardíacos. Proibido pelos médicos de ir ao Maracanã, emocionou-se de casa com o título e com as homenagens dos jogadores. 

 Abel citou o resgate da “alma rubro-negra”. Não que a falta de vontade tenha sido um problema do Flamengo nas últimas temporadas, mas sim a dificuldade de vencer em momentos decisivos. Faltava o algo a mais. Talvez seja precoce avaliar, afinal foram dois jogos da Taça Rio, mas esse elenco começa a mostrar sinais de um grupo vencedor. O tão falado “DNA vencedor”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário