quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Cheque Cidadão: vereadores presos pela PF em Campos

Foi deflagrada na manhã quarta-feira (19), em Campos, uma nova fase da Operação “Vale Voto”, que investiga o uso do programa “Cheque Cidadão” para compra de votos. A operação foi rebatizada e agora se chama “Chequinho”.

Os vereadores Miguelito (PSL) e Ozéias (PSDB), que se reelegeram, foram presos pela Polícia Federal (PF). Na Delegacia, ao notar que estava sendo filmado, o vereador Miguelito bateu no peito, sorriu e fez um sinal positivo.

miguelitoAo todo, oito mandados de prisão foram expedidos. Nesta fase da operação não constam os nomes de outros vereadores. Também foram decretadas as prisões temporárias de Verônica Ramos Daniel, Alessandra da Silva Alves (Chefe do Posto de Saúde do distrito de Ribeiro do Amaro), Dayanna de Souza Rodrigues, Rose Mota Pereira, Heloísa Cabral da Costa (Chefe do Posto de Saúde do Parque Santos Dumont) e Mara (identificada por depoimento dos autos). De acordo com o inquérito, pessoas atuavam como agentes dos vereadores e faziam cadastros para o Cheque Cidadão sem qualquer tipo de critério.

Além disso, a PF cumpre oito mandados de busca e apreensão e um de condução coercitiva.

De acordo com o inquérito, em relação ao vereador Miguelito, “há relatos de testemunhas dando conta que foram pessoalmente ao gabinete do vereador entregar documentos pessoais de várias pessoas para inclusão no Programa, o que foi feito em mãos do vereador e de sua esposa”.

No caso do vereador Ozéias, que já havia sido preso durante o processo eleitoral (aqui), “depoimentos revelaram a existência de um departamento dentro do CRAS do distrito de Travessão, destinado exclusivamente ao candidato Ozéias, que serviria, em tese, para que ele emitisse identidade civil”. De acordo com o inquérito, “os atendimentos se destinavam à cooptação de eleitores e à distribuição de favores escusos, em troca de voto. E o pior: dentro de um prédio público!”.

Suplentes – Caso Miguelito e Ozéias não consigam ser diplomados e empossados, já que são alvos de ações que pedem a cassação do diploma, os suplentes são: Álvaro Oliveira (SD) e Geraldo Santa Cruz (PSDB). Já na atual Legislatura, que chega ao fim no final deste ano, os suplentes são Papinha e Alonsimar. Fonte: Blog do Bastos - Folha da Manha

Nenhum comentário:

Postar um comentário