sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Primeiro debate do 2° turno tem troca de acusações entre Crivella e Pezão

 O segundo turno da disputa ao governo do Rio começou marcado por troca de farpas entre os candidatos Luiz Fernando Pezão (PMDB) e Marcelo Crivella (PRB). Foi o que se viu no debate realizado pela Universidade Estácio de Sá, com o apoio da REVISTA Veja e OAB-RJ, na sede da Ordem dos Advogados do Brasil, no centro da capital.

Enquanto Pezão lembrou do apoio de Anthony Garotinho (PR) à candidatura de Crivella no segundo turno, o candidato do PRB afirmou que a continuidade do PMDB no governo do Rio é a permanência de Sérgio Cabral no poder.

— Pezão não manda em sua campanha. Eu não sei se vai mandar no seu governo.

Pezão isinuou que a aliança de Crivella com Garotinho pode levar o candidato a mentir.

— Toma cuidado com o Garotinho. Ele vai fazer o senhor mentir também.

Crivella rebateu, relatando que ouviu de eleitores fluminenses, e deu a entender que quem conta mentiras é o candidato do PMDB.

— O povo na rua diz que os pés do Pezão cresceram porque ele é o 'Pénoquio'.

Em pergunta gravada em vídeo, o cineasta José Padilha, de Tropa de Elite, levantou a questão da manutenção das UPPs. Pezão disse que o projeto é um sucesso e Crivella, além de apoiar a iniciativa, quer incentivar em comunidades pacificadas o microempreendedor, levar políticas públicas e serviços sociais.

— Eu elogio o trabalho das UPPs. Mas temos que levar serviços públicos para estas localidades pacificadas. Incentivar o microempreendedor e olhar para os jovens.

O pastor Silas Malafaia e o humorista Marcelo Madureira, que também participaram com perguntas do debate, pontuaram o fato de Marcelo Crivella ser bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus. Crivella afirmou que não mistura política com religião.

— O que vai prevalecer é o interesse do povo. Eu nunca misturei política com religião e a minha trajetória fala por mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário