quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Achados à beira da Estrada

Em meio à poeira das obras de duplicação da BR 101, no trecho entre Itaboraí e Campos, foram encontrados, pela Autopista Fluminense, concessionária que administra a via, vestígios de 15 sítios arqueológicos e 34 áreas de ocupação histórica ao longo dos municípios de Silva Jardim, Casimiro de Abreu e Rio Bonito, nas baixadas litorâneas fluminenses. Tais descobertas foram registradas em mapas culturais, que começaram a ser entregues na segunda-feira (1º) em eventos que estão sendo realizados nestes municípios.

Os pesquisadores ficaram otimistas com as novas descobertas. Os sítios encontrados são pré-coloniais e pouco conhecidos. Nove deles já estão sendo estudados em 71 quilômetros da rodovia e há a expectativa de que novas descobertas surjam com o avanço das obras de duplicação. Entre os destaques do mapeamento arqueológico realizado está o Sítio Arqueológico Surucucu, em Silva Jardim, no qual foram localizados vestígios de uma fazenda do final do século XIX, que é representativa da cultura cafeeira. No espaço, existe um pátio de secagem de café, muro de fundação da sede e aqueduto com tanque. Também foram encontrados vestígios de pedra lascada.

Já em Casimiro de Abreu, foi encontrado o Sítio Arqueológico Jiló, no qual foram localizados vestígios de louças, vasilhames cerâmicos e vidros associados ao final do século XIX e início do XX. Peças relacionadas com a ocupação indígena também foram encontradas. Em Rio Bonito, muito próximo à BR 101, existe ainda o Sítio Arqueológico Kraftig, com artefatos de pedra lascada típicos do período pré-colonial. Os materiais encontrados serão encaminhados ao Laboratório de Antropologia Biológica (LAB), do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Fonte: Fmanha/Natália Moraes Foto: Autopista Fluminense

Nenhum comentário:

Postar um comentário